topo cmt curva azul2


INSTITUCIONAL

TIJUCAS

COMUNICAÇÃO

LEGISLAÇÃO

Governo vai mapear saúde dos brasileiros

O governo iniciou ontem a coleta de informações da PNS (Pesquisa Nacional de Saúde), que irá avaliar de forma inédita a saúde e o estilo de vida dos brasileiros. O levantamento inclui exames de sangue e de urina de entrevistados selecionados, além do preenchimento de questionários. A pesquisa será feita pelo IBGE, em parceria com o Ministério da Saúde e coordenação técnica da Fiocruz. Serão visitados 80 mil domicílios em 1.600 municípios do país entre neste mês e em outubro --o prazo pode ser estendido para novembro.

img41O objetivo é mapear doenças e fatores de risco, como hipertensão, diabetes, anemia falciforme e obesidade. O ministério estima que 20 mil pessoas serão submetidas aos exames --em cada domicílio, apenas um morador será selecionado. O exame de sangue também trará a informação do percentual da população brasileira que já entrou em contato com o vírus da dengue. A publicação dos resultados ocorrerá em 2014.

"A pesquisa será usada no monitoramento das metas do Plano de Enfrentamento de Doenças Crônicas [iniciado em 2011]. Por isso, a sua importância estratégica", afirma Deborah Malta, diretora do Departamento de Análise de Situação de Saúde do Ministério da Saúde. A previsão é que a PNS seja realizada a cada cinco anos, o que permitirá acompanhar a evolução da saúde dos brasileiros. A pesquisa será feita em duas etapas.

Na primeira, será preenchido um questionário com informações do domicílio e dos moradores do local selecionado. Nesse levantamento, haverá questões, por exemplo, sobre abastecimento de água e posse de animais de estimação. Também será escolhido um morador com 18 anos ou mais que irá responder um questionário mais detalhado, além de ter medidos peso, altura, cintura e pressão arterial. A seleção será aleatória, por meio de um computador do agente da pesquisa.

Em uma segunda etapa, aplicada em 25% das áreas visitadas, o mesmo morador fará exames laboratoriais de sangue e urina. A coleta do material não é obrigatória. "Vamos mostrar a importância da pesquisa, mas o entrevistado pode se negar a participar", diz Cimar Azeredo, coordenador de pesquisa do IBGE.

O ministério informou que vai repassar R$ 21 milhões para a realização do estudo, sendo R$ 15 milhões destinados ao instituto de pesquisa e R$ 6 milhões ao hospital encarregado pelos exames. Segundo a pasta, o Sírio-Libanês vai organizar e coordenar a pesquisa clínica.


* Folha de SP

AddThis Social Bookmark Button

© 2013 | Joomla - v2.5 | Todos os Direitos Reservados |